Intimidade invadida: empresas assumem ouvir conversas no celular para direcionar propagandas 13

Intimidade invadida: empresas assumem ouvir conversas no celular para direcionar propagandas

Aquela sensação de que somos ouvidos o tempo todo e que essa é a base para as propagandas que chegam até nós pelo celular pode não ser tão maluca afinal.

Embora alguns considerem este pensamento uma enorme teoria da conspiração, a realidade prova exatamente o contrário.

A imprensa de NÓS Nos últimos dias, repercutiu a descoberta de que empresas de marketing confessavam acessar microfones de celulares para coletar dados e direcionar publicidade. E detalhe: tudo isso sem autorização prévia do usuário.

Uma das empresas envolvidas faz parte do Grupo Cox Media e trabalha na implementação deste serviço, denominado “Escuta Ativa”.

Além dela, representantes de outra empresa, a MindShift, também falaram abertamente sobre o assunto em podcast.

Concentre-se na tarefa

Intimidade invadida: empresas assumem ouvir conversas no celular para direcionar propagandas 16

Cuidado com o que você fala perto do seu celular, ele pode estar sendo monitorado – Fonte: Internet/Reprodução

O serviço prestado por estas empresas centra-se na distribuição de anúncios para os chamados “compradores prontos”, aquelas pessoas que falam ao celular sobre um produto que desejam comprar ou adquirir.

A ação, em tempo real, consiste em divulgar anúncios e promoções, principalmente em redes sociais como Instagram e Facebook, dos mesmos itens citados pelo dono do aparelho.

É impossível não se surpreender ao ver esse mecanismo na prática. A tecnologia utilizada para isso é mantida em segredo pelas empresas envolvidas.

Nos EUA, os relatórios constataram, por exemplo, a adoção do serviço por uma concessionária de carros de luxo, uma locadora de imóveis, uma ONG e uma prestadora de reparos residenciais, ou seja, de segmentos diversos.

Pequenas e grandes empresas

Durante a entrevista no podcast, os representantes da MindShift explicaram que a tecnologia de reconhecimento de voz seria fornecida por um parceiro de longa data. Além disso, a função já é aplicada tanto a pequenas como a grandes empresas.

O processo é tão personalizado que quem contrata o serviço de publicidade pode determinar o alcance das detecções de voz e exibição da publicidade.

Existe até um pixel de rastreamento que é adicionado ao site para fornecer métricas de visualização e acesso.

Outro aspecto curioso é que a prática não ficaria restrita aos celulares. Também tem potencial para ser usado em assistentes inteligentes, como alexae nas televisões. Ou seja: o monitoramento é constante.

Relacionado :  11 coisas a saber sobre notas e lista do Google Assistant

Como se proteger

A descoberta, claro, é um enorme escândalo, pois realça a insegurança e a falta de protecção dos dados privados.

No Brasil, por exemplo, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) proíbe o uso de informações sem a autorização do cidadão.

A possibilidade de ouvir remotamente o que é dito perto de celulares, porém, se mostra um tanto assustadora, pois o usuário tem poucas alternativas para reagir.

Para se proteger desse tipo de situação, muitas vezes a única saída é afastar o aparelho ou desligá-lo. Em celulares Android Isso é Iphone, é possível controlar o uso do microfone por meio de um aplicativo instalado no aparelho. Vale a pena prestar atenção a isso.

Os sistemas costumam emitir notificações quando o recurso é ativado e o usuário recebe alertas quando o microfone está ligado fora dos horários de uso.

Outra solução é ficar atento às políticas de privacidade dos dispositivos e aplicativos em geral. É importante conhecer as preferências que controlam ou restringem o que é ouvido e armazenado para cada solução. Se você não concorda ou suspeita de algo, pare de usá-lo.